segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

CARLOS ALBERTO BERNARDO

Caríssimo,
1. Alguém me havia falado já no seu/nosso blogue mas só agora, com o convite que veio do meu Amigo, me resolvi consultá-lo em pormenor, tendo visto já as fotografias que obteve nos almoços de Natal, o vídeo do Magusto e o artigo sobre o Chico França, nosso comum amigo. Vou dedicar-lhe mais a atenção que lhe é devida.
2. O meu dia de quinta feira passada satisfez-me particularmente porque, para além de me proporcionar a alegria de o rever a si e aos restantes Colegas, que não via há anos, permitiu-me cumprir - eu que andava a protelar o doloroso telefonema para Faro - o triste dever de transmitir ao meu amigo Daniel Mendonça o pesar pelo passamento da Maria José "Bolacha". Foram dois excelentes colaboradores com quem tive a honra de trabalhar como conferente, do seu sempre impecável trabalho, em todo o expediente em moeda nacional e estrangeira, no Serviço de Letras à Cobrança da Sede.
Lembro-me como se fosse hoje do grande recato que ambos mantinham no relacionamento afectivo que se desenvolveu entre ambos, observado com o carinho e o respeito de quantos adivinhavam o crescimento de um verdadeiro afecto que veio a dar em casamento, de papel firmado. Separámo-nos no caminho profissional quando ,em Abril/Maio de 75, fui convidado para ingressar nas Comissões de Crédito como Vogal, mas nunca a Amizade, que havia germinado e se desenvolvera entre nós, foi quebrada por vicissitudes na construção das carreiras que paralela ou divergentemente todos fizemos, lembrando sempre o que havíamos aprendido junto de mestres como o D. Hugo Pereira Coutinho, o Alexandre de Carvalho Ideias, o Abílio Nobre Cabral, o melómano Sr.Santos que, absorto e contemplativo, entrava no Banco e na Repartição a trautear áreas de Verdi ou de Puccini, ou o ainda felizmente vivo José Morais Gouveia, com quem tenho o privilégio de privar frequentemente no FORUM Abel Varzim, e tantos outros nomes que poderei vir a recordar-lhe para lhe dar o mote de produzir uma monografia do que foi o ambiente na Sede do BNU nos anos sessenta do já século passado.
Meu caro Rito, fique a pensar nisto e enriqueça com o seu trabalho o seu/nosso blogue.
Um grandessíssimo abraço acompanhado dos meus votos de um suportável Ano Novo de 2012.

Carlos A. de O. Bernardo

Sem comentários:

Enviar um comentário